Com Seminário Marco Zero, FUNDECT debate linhas de pesquisas voltadas para a saúde

Campo Grande (MS) – A Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (FUNDECT) iniciou nesta quarta-feira (30) o Seminário “Marco Zero” que debate os principais projetos do Programa de Pesquisa para o SUS (PPSUS) direcionados aos diversos setores de saúde. O evento foi realizado na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), onde também foram assinados os Termos de Outorga das dos projetos inscritos no projeto PPSUS 2015/2016.

A solenidade contou com representantes da FUNDECT, Secretaria de Estado de Saúde, Ministério da Saúde, UEMS e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Ao todo, 27 projetos fazem parte do PPSUS 2015/2016. Os trabalhos são linhas de pesquisas e projetos voltados para a área de saúde em seus diversos setores contando com investimentos da FUNDECT e do O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) passando por vigilância epidemiológica, nutrição, saúde mental, doenças sexualmente transmissíveis, entre outros.

Durante a solenidade, foram assinados os Termos de Outorga dos projetos relacionados no PPSUS 2015/2016

As linhas de pesquisas serão debatidas durante o seminário, que segue até sexta-feira na UEMS. Para a Pró-reitora de Extensão da UEMS, Marcia Alvarenga, as pesquisas abordadas pelo PPSUS têm como principal meta apresentar caminhos para a melhoria dos serviços de saúde oferecidos para a sociedade. “São pesquisas exclusivamente voltadas para a sociedade e a sua saúde como um todo. A proposta de incentivo à pesquisa apresentada pelo Ministério da Saúde é importante pela participação das instituições de ensino e fomentar cada vez mais projetos voltados para o Sistema Único de Saúde (SUS)”, disse Márcia.

Representando o Ministério da Saúde, a coordenadora do PPSUS Marge Tenório destaca a relevância das pesquisas em apontar onde os serviços de saúde estão deficientes, buscando cada vez mais aprimorá-los. “A parceria do PPSUS coordenado pelo Ministério fez com que os pesquisadores pudessem apontar qual a deficiência da saúde, para assim possibilitar seu aprimoramento. É um olhar diferenciado para os serviços de saúde para potencializarmos cada vez mais projetos com este objetivo”, destacou Marge.

 

Jefferson Gonçalves – Assessoria de Comunicação SES